HEMORRAGIAS VOCAIS: INFORMAÇÃO SEM TABUS

Shakira cancela concerto em Portugal e adia digressão devido a problema nas cordas vocais”. Esta foi a manchete publicada no passado dia 14 de novembro de 2017 no Observador.

É preocupante constatar o número de vezes que cantores e cantoras internacionais de música pop-rock têm que recorrer ao repouso vocal e, consequentemente, ao cancelamento de espetáculos. Esta semana foi a Shakira mas, por exemplo, a cantora britânica Adele, ou os cantores americanos Sam Smith e Maghan Trainor já foram também obrigados a cancelar uma série de espetáculos após hemorragias nas pregas vocais.

O que é uma hemorragia vocal?

Trata-se de uma ruptura dos vasos sanguinos que irrigam as pregas vocais relacionado com um traumatismo vocal agudo. Tal como se pode ver na Figura 1, aparece como um hematoma de cor vermelho vivo que ocupa um extensão mais ou menos grande da face superior da prega vocal.

Figura 1. Hemorragia da prega vocal esquerda (imagem de autor: F.M.B. Lã).

É frequente que esta ruptura de micro vasos sanguíneos ocorra em tecidos mais superficiais das pregas vocais, como sendo o epitélio e a camada mais superficial da lâmina própria (Figura 2).

Figura 2. Corte histológico representando as diferentes camadas de tecido que  constituem as pregas vocais (adaptado de Hirano & Sato, 1993: 93).

Este hematoma é suficiente para produzir assimetrias na vibração das duas pregas vocais.

Video 1. Imagem laringoscópica demonstrativa da vibração assimétrica das pregas vocais resultante de uma hemorragia na prega vocal direita.

Que sintomas vocais produz?

Uma hemorragia vocal, por produzir uma alteração no padrão vibratório da prega vocal, reflete-se numa afonia, ou seja, perda parcial ou total de voz, ou rouquidão repentinas.

Por vezes a frequência fundamental da voz falada (i.e. tom habitual em que a pessoa fala) não parece afetada; contudo, são frequentes as quebras na passagem entre registos vocais agudos e graves, assim como dificuldades em cantar notas mais agudas.

Como pode acontecer?

Normalmente uma hemorragia vocal acontece associada a um traumatismo vocal agudo.

Do ponto de vista fisiológico, este esforço vocal ocorre quando existe uma força de colisão excessiva entre as duas pregas vocais, como acontece quando tossimos ou quando temos por habito optar por um tipo de fonação apretada, isto é, que exige maior força de adução das pregas vocais (Figura 3).

Figura 3. Representação esquemática das cartilagens que constituem a laringe em movimento de adução e abdução das pregas vocais  (adaptado de Sataloff, 1997, 1997: 119).

O stress mecânico repetido que este tipo de impacto causa é tal, que pode conduzir à ruptura dos pequenos vasos sanguíneos que percorrem estes tecidos, podendo causar uma (ou várias) hemorragia(s).

Do ponto de vista acústico, este esforço vocal agudo corresponde à produção de sons vocais agudos (em frequência) e fortes (em intensidade sonora), como por exemplo, um grito ou falar alto em ambientes ruidosos. Pode ainda surgir como efeito colateral da tosse associada a uma doença das vias respiratórias superiores (ex. laringite, faringite), ou de uma outra patologia já instalada, como uma formação rígida na camada inferior da mucosa das pregas vocais (quisto submucoso).

Em cantores e cantoras profissionais (independentemente do estilo musical), outros comportamentos de risco para o aparecimento de hemorragias vocais descritos na literatura podem ainda incluir:

  1. interpretação de repertório que possua a repetição prolongada de sons agudos e que exijam dinâmicas vocais de grande intensidade
  2. usar sempre a dinâmica “forte” na interpretação de repertório, sobretudo durante as horas de ensaios
  3. ter uma técnica vocal não adequada
  4. cantar mesmo que a voz apresente sinais de cansaço
  5. cantar com uma laringite
  6. cantar aquando da ingestão de medicamentos que possuam efeitos vasodilatadores (ex. do tipo da aspirina)
  7. cantar durante o período pré-menstrual, sobretudo quando se sofre de laryngopathia menstrualis

O que fazer?

Este tipo de problema vocal é grave. Recomenda-se por isso um período de várias semanas seguidas de repouso vocal ou de uso bastante moderado da voz, com recurso ao uso de medicamentos anti-inflamatórios, seguido de tratamento de reabilitação vocal e reavaliação vocal. Quando as hemorragias vocais são recorrentes ou quando as mesmas estão associadas a massas benignas, poderá ser necessário recorrer à cirurgia.

A quem posso recorrer?

Quando a voz se apresenta com um timbre diferente (ex. rouco, áspero, soprado), ou não permite a fonação de tons agudos e graves (i.e. redução da extensão vocal), ou ainda não permita grandes variações de dinâmicas durante mais de 3 dias seguidos, é recomendável a consulta com um médico otorrinolaringologista especializado em voz – um Foniatra (ex. alguns países Europeus, como por exemplo a Alemanha). Um outro profissional de saúde que deves procurar será um Fonoaudiólogo (Brasil), ou Speech Pathologist (EUA). Se fores cantor, recomenda-se um Singing Health Specialist (EUA).

Em Portugal, os profissionais de saúde que deves procurar são: um médico especialista em ouvidos, nariz e garganta, ou seja, um Otorrinolaringologista; um Terapeuta da Fala; se fores cantor ou cantora, recomenda-se a procura de um Professor de Canto com formação em reabilitação vocal do profissional da voz.

Um cantor é um atleta de alta competição; por isso cuida da tua voz como um atleta cuidaria do seu corpo.

Onde procurar mais informação?

  1. Hirano, M. & Sato, K. (1993). Histological Color Atlas of the Human Larynx. San Diego: Singular Publishing Group.
  2. Le Huche, F. & Allali, A. (2003). La voz – Patologia vocal de origen funcional. Tomo 2,. 2ª Edición. Barcelona: MASSON.
  3. Mathieson, L. (2006). Greene & Mathieson’s The Voice & Its Disorders. 6th Edition. Whurr Publishers Ltd: London.
  4. Sataloff, R.T. (1981). Professional singers: the science and art of clinical care. American Journal of Otolaryngology, 3: 251-2666.
  5. Sataloff, R.T. (1991). Professional Voice: The Science and Art of Clinical Care. New York: Raven Press.
  6. Sataloff, R. T. (1997). Clinical anatomy and physiology of the voice. In R. T. Sataloff (Ed.). Professional Voice: The Science and Art of Clinical Care. (pp. 111-145). 2nd Edition. San Diego: Singular Publishing Group.

Escrito por Filipa M.B. Lã


1 thought on “HEMORRAGIAS VOCAIS: INFORMAÇÃO SEM TABUS

  1. Pingback: Hemorragias vocales: información sin tabúes | Sottovoce

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.